Paulinho Moska e Zélia Duncan em Paulínia/SP | PixelTicket

Paulinho Moska e Zélia Duncan em Paulínia/SP

21 de agosto de 2020 às 19:30

Teatro Municipal de Paulínia VER MAPA

Av. Pref. José Lozano Araújo, 1551, 13140-000, Parque Brasil 500, Paulínia, SP

IngressosIdentificaçãoResumoPagamento
Ingressos

Selecione o assento e o tipo de ingresso ao lado

Informações

Ponto de venda ( Sem taxa) : Ótica Paulínia - Avenida José Paulino, 1023 ( a partir do dia 03.03)

Abertura: 19h30

Início: 20h30

Censura: 12 anos 

------------


Ingressos:

1o Lote:

Plateia Baixa - 120/60

Plateia Alta - 100/50

--

2o Lote:


Plateia Baixa - 140/70

Plateia Alta - 120/60


Release:


 Um par ímpar é uma dupla singular. Moska e Zelia são amigos e parceiros desde o primeiro disco solo de cada um, ainda na década de noventa. São mais de vinte e cinco anos de amizade e de canções compostas juntos. O projeto já estava sendo pensado pelos dois artistas há muito tempo, quando começaram a compor e gravar pérolas como “Carne e Osso”, “O Tom do Amor”, “Sinto Encanto” e “Não”. E ao longo dos anos foram se aproximando cada vez mais com as novas “Feliz Caminhar” e “Medo do Medo”, gravadas respectivamente nos álbuns mais recentes “Tudo é Um” (Zelia/2019) e “Beleza e Medo” (Moska/2018). Mas a ideia da turnê começou a se concretizar quando em 2012 criaram a canção “Um Par Ímpar” (letra em anexo), um hino de encontro, de liberdade, de turma, de tribo, da união de todos nós: “Somos a canção da natureza, somos loucos por beleza e do que ela é capaz. Somos uma onda diferente, se você quer vir com a gente traga amor e mais.” Guardaram a canção numa gaveta especial porque já sabiam que esse poderia ser também o nome da turnê tão sonhada pelos dois. E agora chegou a hora de escutá-la. Conhecidos pelo bom uso da palavra poética em suas letras, o show da dupla de cantautores que se une pela primeira vez em uma turnê apresenta suas versões das parcerias e outras surpresas que completam o repertório. Além dos sucessos citados acima, canções da carreira individual de cada um, canções de outros autores (como “A Idade do Céu”, do uruguaio Jorge Drexler e gravada pelos dois) e inéditas composta pela dupla também aparecem no roteiro. “Um Par Ímpar” nos sugere um verdadeiro encontro que se unifica, um plural que se singulariza, uma diversidade que equilibra. E assim são Zelia e Moska, diferenças que se completam, semelhanças que se potencializam. Um par singular, um ímpar plural.”